Double

Economia solidária

Horta comunitária em Campinas (SP) é referência agroecológica

A experiência é fruto de assentamento urbano no Parque do Itajaí

Ouça o áudio:

Área da horta comunitária é organizada pela Associação Cio Terra e contempla projeto de assentamento urbano - Arquivo: Cio da Terra
A gente trabalha com as pessoas que vêm para cá. Trabalhamos e dividimos a renda

O território da cidade de Campinas (SP) mantém apenas 2% da Mata Atlântica remanescente. O dado reflete a realidade de muitos centros urbanos pelo país em que o excesso de concreto sustenta uma urbanidade de desequilíbrios sociais e ambientais.    

Continua após publicidade

Mas, no periférico bairro do Conjunto Habitacional Parque de Itajaí, a assistente social Isabel Barbosa identifica uma área de 10 mil m² como um ponto fora da curva no cenário campineiro. Ela cita que a horta urbana do bairro cravada no meio das moradias populares traz diferentes sensações.      

“Quando se anda na região percebe que aquela horta parece um oásis. É muito nítida a sensação térmica que se tem ao estar na calçada, fora da horta e adentrar o espaço do cultivo”, enfatiza. 

:: Sem-terra transformam lixo em agrofloresta e alimentos saudáveis no interior de SP :: 

Para além de ser agradável, Isabel Barbosa faz questão de lembrar que todas as pessoas no local respeitam e preservam o espaço, delimitado apenas por uma cerca simples. O sentimento de pertencimento com a Horta Comunitária do Itajaí pode ser relacionado com sua própria história. 

Em 2004, Seu João Novais passou a cultivar no local como uma proposta de atividade terapêutica. O exemplo fez brotar de forma espontânea um grupo de produtores, que passou a acompanhar a iniciativa. O trabalho se destacou e foi reconhecido para além da comunidade.  


Horta comunitária produz alimentos saudáveis e comercializa com preço acessível / Arquivo: Cio da Terra

No ano de 2009, o trabalho na Horta do Itajaí ganhou o Prêmio de Responsabilidade Ambiental RAC e Sanasa. A congratulação afirmou a sustentabilidade ambiental feita diariamente pela ação comunitária. 

:: Quintais produtivos provam que alimentos orgânicos podem estar na porta de casa ::

Em 2010, a Prefeitura de Campinas cedeu o terreno para a experiência. O território também é reconhecido como um projeto de assentamento urbano, organizado enquanto Associação Cio da Terra

“A gente trabalha com as pessoas que vêm para cá. Trabalhamos e dividimos a renda. Fazemos a venda coletiva”, define.        

Com o passar dos anos, Seu João Novais passou a ser conhecido como João da Horta. O que ele considerava como trabalho terapêutico passou ser visto também como educativo, social e ambiental com a inserção da Agroecologia no processo. 

:: Bioinsumos: a alternativa aos agrotóxicos que vem do conhecimento do campo ::

Ao todo, são 12 famílias assentadas no território. Mas o trabalho de plantio, comercialização e doação de alimentos se estende entre 25 famílias participantes direta e indiretamente. Parte dos produtos são vendidos sem atravessador para um restaurante vegetariano de Campinas. 

Seu João explica que ao longo dos anos o processo de troca de conhecimentos agroecológicos foi feito de forma aberta e com diferentes pessoas que "deixaram uma semente" no local. Agricultoras e agricultores urbanos dialogam com academia, centros de pesquisas, escolas e outras pessoas do campo. Esse acúmulo de saberes  sugere propostas para os espaços urbanos.  

“Nós devemos ocupar espaços públicos. Além dessa horta que é oficializada, está documentada enquanto pessoas assentadas, vem várias pessoas me procurar para saber da experiência, que dá renda, ajuda na saúde”, salienta. 

:: Campanha do MST propõe caminhos ambientais e sociais para o Brasil ::

Além de frutas, verduras e hortaliças de cada estação, o espaço também é referência como uma farmácia popular, por cultivar plantas medicinais. Não há cadastro formal para participação nas atividades na Horta. Muitas famílias procuram o espaço por conta da situação financeira apertada ou mesmo como uma terapia ocupacional, como o próprio motivo embrionário do espaço coletivo.  

Edição: Douglas Matos


Double Mapa do site

1234