Double

ACESSÓRIO DE BALADA?

"Temos orgulho de ver boné do MST nas cidades", diz dirigente sobre polêmica nas redes sociais

"Luta pela reforma agrária exige o engajamento de toda a sociedade", afirma Kelli Mafort, da direção nacional do MST

Double | Brasília (DF) |

Ouça o áudio:

Uso do boné como "acessório de balada" causou uma série de discussões no Twitter; movimento pede que acessório seja comprado nas lojas Armazém do Campo - Divulgação/Armazém do Campo

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) não é contrário ao uso de seus acessórios por pessoas que não integram o grupo. O tema ganhou destaque nas redes sociais nas últimas horas após uma publicação de um usuário do Twitter condenar o uso do boné "como acessório de balada".


Publicação feita por um usuário do Twitter "problematiza" uso de boné do MST / Reprodução/Twitter

ODouble conversou com Kelli Mafort, da direção nacional do MST, para verificar qual o posicionamento dos sem terra sobre o assunto. Ela afirmou que o uso dos bonés do movimento nas cidades é motivo de "orgulho", mas alertou aos apoiadores que o acessório deve ser acompanhado de "compromisso com a luta popular" e ser comprado nas lojas Armazém do Campo.

"Nós nos orgulhamos quando vemos pessoas que não são do MST utilizando os nossos símbolos, nossos bonés, camisetas e bandeiras. Sabemos que utilizar esses símbolos é assumir um compromisso na sociedade. É dizer 'ocupa tudo'! É dizer, pedagogicamente, que as conquistas elas só são arrancadas através da luta e da organização", declarou.

:: Mulheres do MST fazem atos contra multinacionais do agronegócio em início de semana de luta ::

Mafort comentou a "preocupação" de pessoas que apontam uma suposta apropriação cultural no uso do boné: "Sabemos também que muitas pessoas zelosas levantam a sua voz para poder dizer que não é legítimo que pessoas que não sejam do MST usem o boné do MST. Nós agradecemos essa preocupação, mas dizemos, é preciso ampliar a nossa visão. É preciso saber que a luta pela reforma agrária é o engajamento de toda a sociedade".

No campo e na cidade

A dirigente relembrou ainda um congresso nacional do MST, realizado em 1995, que reforçou a visão dos sem terra sobre a importância de disputar politicamente a pauta da reforma agrária também nas cidades, não apenas no campo.

:: Artigo | Existência do MST é a melhor política pública possível para combater a fome no Brasil ::

"Em 1995, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra realizou um importante Congresso. Foi o seu terceiro congresso. Ali, nós avançamos na consciência de que a luta pela terra nós fazemos no campo, através das ocupações de terra, mas nós ganhamos essa luta politicamente nas cidades. Por isso, nós expressamos naquele período, em 1995, no lema "Reforma agrária, uma luta de todos", o sentido da relação campo-cidade", disse Mafort.

"E entendemos que trabalhadores urbanos e rurais devem enfrentar as mazelas da questão agrária e da questão urbana juntas. Nós sabemos que 85% da população Brasileira vive na zona urbana e apenas 15% no campo. Então, é fundamental que a questão agrária, a questão da reforma agrária, seja debatida e incorporada pelas pessoas que vivem na cidade", concluiu.

Edição: Rodrigo Chagas


Double Mapa do site

1234