Double

Direito indígena

Indígenas seguem acampados próximo a prédio abandonado da Prefeitura de Porto Alegre

Após conquista da casa dos estudantes, povos continuam no local até a Páscoa para venda de artesanato; água foi cortada

Double | Porto Alegre (RS) |
Grupo está acampado junto ao prédio que abrigou a luta dos estudantes indígenas por residência universitária - Foto: Arquivo pessoal

O acampamento próximo à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que há poucas semanas abrigou a luta dos estudantes indígenas por residência universitária, continua de pé. Dessa vez, abriga cerca de 40 indígenas, entre adultos e crianças, sendo a maioria formada por mulheres.

Eles estão no local para terem um abrigo enquanto vendem seus artesanatos no centro da Capital e vão permanecer até o final do feriado de Páscoa, quando voltam a aldeia Pinhalzinho, em Planalto (RS). 

“Não é uma ocupação permanente, mas eles não estão tendo ajuda. Cortaram a água, que antes havia um encanamento, isso é um crime, a água é para todos. Pedimos apoio para termos um banheiro como havia para os universitários, um apoio para os indígenas”, destaca o líder indígena Antonio Tomais Pereira Fãrig, da etnia Kaingang. 

Leia mais: Estudantes indígenas da UFRGS garantem prédio para instalação de moradia universitária

Antônio destaca a conquista dos estudantes indígenas, que conseguiram a casa dos estudantes. “Para os órgãos governamentais garantirem o espaço para os indígenas tem que ser com muita briga, muita discussão. Ainda continua a discriminação com os povos indígenas”, afirma. 

O líder enfatiza que a ocupação resgata a história de sua família. “Porto Alegre completou 250, meus tataravós viviam acampados nessa região, o meu avó e meu pai tinham acampamento em Porto Alegre, quando iam visitar os parentes. Meus pai ajudou a descarregar sal no porto”, lembra ao comentar o descaso atual do poder público com a situação dos povos indígenas. 

“A população indígena achou melhor ficar mais perto do centro para a venda do artesanato e acharam melhor ficar ali acampado até a Páscoa, terminado o feriado eles voltam para a aldeia Pinhalzinho", explica.

A ocupação abriu o debate junto a diversas comunidades indígenas para que a capital gaúcha tenha uma casa de passagem para indígenas que vêm à cidade. O prédio é da Prefeitura de Porto Alegre e fica na entrada do Túnel da Conceição. Está abandonado há cinco anos e foi cedido para a UFRGS, mas no começo de fevereiro devolvido à Prefeitura.

Fonte:BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira


Double Mapa do site

1234