Double

Jornalismo na mira

Em luta contra extradição, família de Assange participa de audiência na Câmara dos Deputados

Evento discutiu implicações do caso do jornalista do WikiLeaks para a liberdade de expressão

Double | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Stella Assange Morris em evento da Câmara dos Deputados - Reprodução

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados realizou nesta quarta-feira (6) uma audiência pública sobre o jornalista Julian Assange que contou com a participação, via videoconferência, de familiares do jornalista detido no Reino Unido. O evento foi realizado por requerimento do presidente da comissão, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

"Julian Assange está há 12 anos em privação de liberdade por ter revelado dados sigilosos que apresentavam graves violações de direitos humanos", destacou Silva em seu pedido.

Os convidados da audiência foram: a advogada e esposa de Julian, Stella Morris Assange, Jhon Shipton e Gabriel Shipton, pai e irmão de Assange respectivamente, e Renata Ávila, advogada integrante da equipe que defende o jornalista do WikiLeaks.

Assange está na prisão de segurança máxima de Belmarsh, em Londres, e o Reino Unido autorizou sua extradição para os Estados Unidos, onde pode ser condenado a até 175 anos detido. A Casa Branca usa lei contra a espionagem da Primeira Guerra Mundial para processar o jornalista pela publicação de documentos e informações sigilosos que revelaram possíveis crimes de guerra dos Estados Unidos em suas invasões no Iraque e no Afeganistão.

:: Assange nos EUA é de interesse de indústria de armas e capital financeiro, diz Sergio Amadeu ::

Em junho, a ministra do Interior do Reino Unido, Priti Patel, autorizou o envio do jornalista para os EUA, processo de pedido de extradição que começou com o republicano Donald Trump e continua na gestão do democrata Joe Biden. A defesa recorre do caso.

"A maior ameaça à vida dele [Julian Assange] é o silêncio ao redor da situação. É um caso político. O Reino Unido tem uma ficção legal por meio da promotoria inglesa, mas aí é a extensão do que é claramente um caso político contra Julian, contra um jornalista que publicou informações verdadeiras que eram vergonhosas para o governo dos EUA", destacou Stella Morris Assange na audiência pública.

Stella informou que Assange chegou a ficar seis meses sem ver seus advogados e está em um cela solitária. A advogada ainda afirmou que os Estados Unidos devem perceber que "o mundo está reagindo" com "desgosto e decepção" pela perseguição contra o jornalista do WikiLeaks.

Orlando Silva, por sua vez, classificou o caso de Assange como um "ataque à liberdade de imprensa" e afirmou que enviará uma representação ao governo britânico defendendo a liberdade do jornalista.

Edição: Arturo Hartmann


Double Mapa do site

1234