Double

Eleições 2022

Igualdade racial no governo Lula deverá ter políticas transversais para reverter retrocessos

Acesso a moradia, emprego, educação, saúde e segurança são reparações esperadas no próximo governo

Double | Curitiba (PR) |
Amplo conjunto de políticas públicas de promoção da igualdade racial e de combate ao racismo estrutural é defendido por movimentos e entidades - Ezequiela Scapini

OGrupo de Trabalho sobre Igualdade Racial da equipe de transição de Lula já anunciou que o governo de Jair Bolsonaro (PL) não alocou nenhum recurso para a promoção da igualdade racial no projeto de lei orçamentária de 2023, que encaminhou para o Congresso. Atualmente, essa área é de responsabilidade do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Portanto, uma das prioridades já apontadas será voltar a investir em políticas púbicas transversais que passem por todos os ministérios.

O candidato eleito Lula, durante campanha eleitoral, falou diversas vezes que as políticas voltadas à igualdade racial serão prioridade em seu governo. E, recentemente, em suas redes sociais, no Dia da Consciência Negra, disse que o combate ao racismo é uma luta de todos.

“Ainda hoje, existe um racismo silencioso e cúmplice, que se expressa nas oportunidades negadas à maioria do povo pela cor da pele. O racismo é filho do ódio e da intolerância e desumaniza a todos nós. E por isso é uma luta de todos", escreveu.

Leia também:Grupo de transição de Igualdade Racial pede que todos GT’s adotem políticas antirracistas

Reconstrução

Para lideranças de movimentos sociais e entidades políticas ouvidas pelo Double Paraná, é urgente a reconstrução e implementação de políticas públicas de promoção à igualdade racial, porque farão com que outras áreas sejam exitosas.

Luiz dos Santos, Secretário de Combate ao Racismo da CUT Paraná, destaca que negros e negras foram mais atingidos pelos retrocessos destes últimos anos. “Nós somos 70% das vítimas de homicídios deste país, as mulheres negras, as principais vítimas de feminicídio, somos a maioria da população desempregada. Acho que estamos saindo de um governo que nos destruiu para um governo que nos apresentou a retomada da esperança”, afirma.

Saiba mais:Transição: movimento negro apoia nomes para Igualdade Racial, mas quer presença em outras áreas

“Esperamos que, além de serem retomadas as políticas exitosas dos outros governos petistas, que tenhamos avanços para garantir a inserção social do povo negro. Sendo assim, se o governo tiver esse olhar de prioridade, teremos avanços no emprego, na educação, acabar com a miséria, segurança, moradia para a população negra. Se a prioridade será o combate à fome, está diretamente promovendo o povo negro porque as maiores vítimas somos nós”, destaca Luiz.

Combater o preconceito

Índio, liderança das lutas por moradia e coordenador da Ocupação Marielle Franco, em Curitiba, diz que é preciso olhar para as políticas de moradia também sob a ótica da igualdade racial. “80% da população que está nas ocupações ou sem moradia são negros e negras. A população negra é atingida pelo racismo em todas as áreas”, destaca.

“Que a gente possa viver sem que sejamos chamados de vagabundos e bandidos por causa da nossa cor”, esse também é um dos desejos de Índio para os próximos anos. “Que o novo governo possa, com seriedade e firmeza, combater e ensinar que nem todo preto é ladrão e vagabundo como somos chamados. Somos trabalhadores, pais e mães de família. E, sobretudo, cidadãos como qualquer outro, a cor nunca deveria ser vista como sinônimo de caráter”, diz.

Política estratégica

Já para a secretária estadual de Combate ao Racismo do PT do Paraná, Joana Martins, é preciso pensar que orçamento e investimento para a área de promoção à igualdade racial é uma política pública estratégica.

“Devemos enfrentar a realidade que faz a pobreza ter o rosto das mulheres negras, lhes assegurando autonomia. Por isso, é imprescindível a implementação de um amplo conjunto de políticas públicas de promoção da igualdade racial e de combate ao racismo estrutural, indissociáveis do enfrentamento à pobreza, fome e às desigualdades, que sejam garantidas ações afirmativas para a população negra e o seu desenvolvimento integral nas mais diversas áreas", aponta. 

Fonte:BdF Paraná

Edição: Frédi Vasconcelos e Lia Bianchini


Double Mapa do site

1234