Double

ESTATAL CONTRA LULA

Petrobras ignora transição, vende refinaria e fala em “continuidade” após eleição

Plano quinquenal anunciado pela Petrobras não leva em conta pedidos de novo governo

Double | Curitiba (PR) |
Conselho da Petrobras deve aprovar novo nome para assumir a presidência da estatal - Carl de Souza / AFP

Faltando pouco menos de um mês para a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a Petrobras lançou uma nova versão do seu plano estratégico ignorando pedidos do governo de transição. O plano, que estabelece diretrizes para os principais investimentos da companhia, foi apresentado na quarta-feira (30). Nesta quinta, executivos da estatal disseram a investidores que o documento prevê “continuidade”.

Continua após publicidade

Continuidade, aliás, é o “grande recado” do plano, segundo o diretor-executivo Financeiro e de Relações com Investidores da Petrobras, Rodrigo Araujo. “A geração de valor e a distribuição de valor gerado seguem sendo pilares importantes”, afirmou ele, sinalizando inclusive que a distribuição de dividendos a acionistas continua como prioridade.

Durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), a Petrobras multiplicou a distribuição de participação de lucros a investidores por conta da redução de seus investimentos e do aumento do preço da gasolina e diesel no Brasil. A estatal chegou a se tornar a companhia que mais paga dividendos no mundo. Isso tudo foi criticado por Lula durante a campanha.

:: Petrobras vai pagar mais de R$ 217 bi a acionistas em último ano de governo Bolsonaro ::

Também foi criticado por Lula o fato de a companhia ter posto à venda parte de seu patrimônio, incluindo as refinarias que produzem combustível para consumo nacional.

Apesar disso, a Petrobras anunciou na quarta a venda da Refinaria Isaac Sabbá (Reman), localizada em Manaus (AM) para a Atem’s Distribuidora de Petróleo S.A. (Atem).

:: Petrobras conclui venda de refinaria do Amazonas a um mês do fim do governo Bolsonaro ::

Essa venda e a apresentação de um plano estratégico alheio a ideias do governo eleito foram criticados por economistas e membros do governo de transição. O grupo técnico de Minas e Energia chegou a pedir que a Petrobras parasse as vendas e suspendesse a apresentação do plano – pedidos que foram ignorados.

“Oclosing [fechamento da venda] da Reman tinha que ser suspenso. É um absurdo concluir essa operação de forma açodada, no apagar das luzes de um governo especialista em vender o patrimônio público brasileiro a preço de banana”, afirmou o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, que integra o governo de transição.

Bacelar também afirmou que o plano estratégico da Petrobras será revisto para a inclusão de investimentos em refino, transição energética, energia de fontes renováveis e de encomendas à indústria naval brasileira. “O novo plano deve ser realizado a partir das orientações e prioridades estratégicas dos representantes do novo governo”, disse.

Investimentos

Eric Gil Dantas, economista do Observatório Social do Petróleo (OSP), também defendeu a revisão para aumento de investimentos na estatal. “Está muito aquém do que deveria, o que precisaria e do que poderia, haja visto os resultados da companhia”, afirmou. “No governo Lula, a empresa tende a retomar sua relevância, com novas refinarias e participação em projeto de transição energética.”

::Brasil deixa de arrecadar R$ 118 bilhões por incentivar consumo de combustíveis fósseis::

Maurício Tolmasquim, ex-presidente da EPE (Empresa de Pesquisa Energética) e integrante do grupo técnico de Minas e Energia do governo de transição, também tem defendido em entrevistas investimentos na Petrobras na transição energética. Ele também criticou o fato de a companhia ter apresentado um plano estratégico à revelia do novo governo.

Reestatização

Bacelar, da FUP, chegou a afirmar em um vídeo publicado em redes sociais que o governo Lula teria como desafio “trazer de volta ativos estratégicos [da Petrobras] privatizados'' durante a gestão Bolsonaro, sinalizando possíveis reestatizações. Tolmasquim, entretanto, negou que isso esteja em debate.

Segundo Bacelar, é desafio do novo governo também garantir o fornecimento de combustíveis a preços justos no Brasil. Não especificou como isso será feito.

 

Edição: Glauco Faria


Double Mapa do site

1234