Double

CENTRAL DO BRASIL

"Carnaval não é só pão e circo", diz Lazzo Matumbi, cantor e ex-integrante do Ilê Aiyê

Matumbi faz duras críticas ao atual modelo da festa em Salvador e realça o poder político da folia

Double | Recife (PE) |

Ouça o áudio:

Matumbi defende que o carnaval precisa ser rediscutido e que o povo precisa estar no centro da festa - Acervo pessoal

Para o cantor e um dos precursores do samba-reggae na Bahia Lazzo Matumbi, a estrutura do eixo oficial do carnaval de Salvador atualiza as práticas de racismo, oprime a população mais pobre e tira o brilho do que deve ser central: a participação popular no evento.

"O carnaval, pra mim, precisa ser rediscutido, em que o ponto mais importante fosse o povo. O carnaval de Salvador, hoje, privilegia muito mais o artista no trio elétrico do que o povo. Eu vejo o povo imprensado entre a corda de um bloco, o tapume de camarote e o cassetete da polícia".

Saiba mais: Carnaval é feriado ou ponto facultativo?

Sobre o estilo atual da festa, Matumbi disse que ele mudou ao longo dos últimos quarenta anos, mas ainda conservou elementos que reforçam o racismo e a exclusão. 

"Salvador é uma cidade muito racista. Hoje, o que a gente vê, na realidade, são os camarotes, que são nada mais, nada menos do que os grandes clubes que impediam a entrada de pobre e pretos, só que hoje na avenida, no espaço público." 

As declarações de Matumbi foram dadas ao programa Central do Brasil desta quarta-feira (15). Ele comentou sobre as origens do Bloco Ilê Aiyê, do qual ele fez parte nos anos 1970, e descreveu a importância da religiosidade africana na mobilização do bloco. "É o que nós mantém vivos", disse.

Matumbi, no entanto, acredita que a festa continua tendo o caráter de resistência e que pode ser um canal de manifestação política.

:: Carnaval terá impacto de R$ 4 bilhões na cidade do Rio, calcula presidente da Riotur ::

"O Brasil tem uma mania de achar que o carnaval é só o circo e o pão, onde a gente tá se divertindo e se esquecendo do jeito que a gente vive. Eu acho que a gente tem que ter a consciência de levar para a festa do carnaval as nossa reivindicações", disse, explicando o poder da festa de ecoar as lutas populares.

"O carnaval de Salvador, para mim, ainda é o grande ápice do que acontece durante o ano inteiro. Uma grande discussão racial, social e econômica". concluiu.

Assista a entrevista completa no programa Central do Brasil desta quarta-feira

Tragédia humanitária

O terremoto que atingiu Turquia e a Síria na semana passada causou mais de 41 mil mortes. O número de vítimas continua a subir, conforme os trabalhos de busca encontram mais corpos nos escombros. Para os sobreviventes, fica o trauma e a saudade de parentes e amigos perdidos. Na edição desta quarta-feira, o Central do Brasil conta  a história da família de Ibrahim, que vivia na província costeira de Lataquia, na Síria. A reportagem é da emissora parceira Telesur.

Fraude em Cuba?

Cuba enfrenta o assédio de um fundo de investimentos britânico que se diz credor legítimo do país. O fundo afirma que comprou títulos da dívida cubana, mas Havana alega que a aquisição foi fraudulenta. A justiça do Reino Unido deve decidir a questão nas próximas semanas. Quem conta detalhes dessa história é o repórter Gabriel Lopes, nosso correspondente em Havana.

O programa Central do Brasil é uma produção doDouble e exibido de segunda a sexta-feira, às 12h30, pela Rede TVT e outras emissoras públicas parceiras espalhadas pelo país.

Edição: Nicolau Soares


Double Mapa do site

1234