Double

'stop the genocide'

Em turnê no Brasil, Roger Waters diz que Biden perdeu humanidade e convoca protestos pró-Palestina

Na fase brasileira da turnê de despedida, Waters reafirmou apoio à Palestina em entrevista ao Electronic Intifada

Double | São Paulo (SP) |
Waters diz que líderes mundiais ignoram pedidos de paz no Oriente Médio
Waters diz que líderes mundiais ignoram pedidos de paz no Oriente Médio - Mauro Pimentel | AFP

Roger Water, músico britânico e fundador da banda Pink Floyd, criticou líderes mundiais que apoiam Israel e convocou pessoas para protestar nas ruas contra a incursão militar na Palestina, que já deixou mais de 9 mil mortos em Gaza, segundo autoridades locais. 

No Brasil em turnê de despedida, Waters se apresentou em Porto Alegre (RS) nesta quarta-feira (2). Durante o show, o telão exibiu mensagens de "parem o genocídio" e uma mensagem que apresentava o presidente norteamericano Joe Biden como "criminoso de guerra".

Hospedado na capital paulista, ele concedeu entrevista ao vivo nesta quinta-feira (2) ao Electronic Intifada, veículo online norte-americano que cobre o conflito israelense-palestino, e criticou o uso política das religiões para fomentar o conflito. 

:: Roger Waters: "Só salvaremos esse planeta frágil se cooperarmos uns com os outros" ::

"Eu confesso ser ateu, mas, se existe um Deus, ele estaria dizendo: 'não em Meu nome'", afirmou ao Electronic Intifada

No Brasil, Waters ainda tem shows marcados para Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP). 

Biden e Netanyahu 'perderam parte da humanidade'

Waters é conhecido pelas críticas à expansão do Estado de Israel sobre território palestino. Como apoiador do movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções), ele se recusa a fazer shows em Israel e frequentemente faz apelos a grandes artistas para que também boicotem o país.

"É preciso ser empático com os outros. Se você não consegue, você perdeu uma boa parte da sua humanidade. Joe Biden não consegue [ser empático], nem Rishi Sunak, nem Benjamin Netanyahu", afirmou, citando os líderes dos EUA, Inglaterra e Israel respectivamente. 

Waters deixou claro ao Electronic Intifada que acredita que o conflito não é vontade do povo. Ele elogiou as manifestações pró-palestina e convocou a população a aderir aos protestos contra a ação militar israelense. 

No sábado (4), Dia Mundial de Solidariedade ao Povo Palestino, protestos convocados por organizações populares ocorrerão em todas as regiões do Brasil, além dos EUA, Alemanha, França e Inglaterra. 

"Precisamos demonstrar [essa insatisfação] de forma numerosa por todo o mundo, para de alguma forma fazer com que os nossos líderes encarem a realidade do que está acontecendo", disse. 

Edição: Thalita Pires


Double Mapa do site

1234