Double

PALESTINA SOB ATAQUE

África do Sul acusa Israel formalmente de genocídio e pede fim de operações militares no primeiro dia de julgamento em Haia

Primeiro ato genocida é o assassinato em massa de palestinos, disse advogada. Defesa de Israel se pronuncia nesta sexta

Double | Botucatu (SP) |

Ouça o áudio:

Simpatizantes da causa palestina protestam em Haia durante a audiência na qual foram apresentadas evidências de que Israel está cometendo genocídio - Robin Utrecht / ANP / AFP

AÁfrica do Sul acusou formalmente Israel de cometer genocídio contra o povo palestino e pediu à corte mais importante da ONU que ordene o fim das operações militares, que têm sido realizadas de forma praticamente ininterrupta há mais de três meses e já provocaram a morte de mais de 23 mil palestinos, além de uma série de outros danos humanitários. Foi nesta quinta-feira (11), primeiro dia de audiências públicas referentes à denúncia de genocídio apresentada à Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia. Israel nega a acusação.

O ministro da Justiça sul-africano, Ronald Lamola, fez uma intervenção inicial. Disse que o sofrimento do povo palestino não é de hoje, pois já dura 76 anos, e citou Nelson Mandela, símbolo maior da luta contra o apartheid em seu país. O Congresso Nacional Africano, partido que governa a África do Sul, há muito tempo compara as políticas de Israel em Gaza e na Cisjordânia com sua própria história sob o regime do apartheid, que impunha o domínio da minoria branca e restringia a maioria negra a "homelands" antes de ser finalmente extinto em 1994.


Ministro Ronald Lamola citou Mandela e disse que o sofrimento do povo palestino ocorre há 76 anos, desde a criação do Estado de Israel / Remko de Waal / ANP / AFP

Depois do depoimento do ministro, os defensores sul-africanos começaram a apresentar seus argumentos, com o intuito de mostrar que Israel violou uma série de artigos da legislação internacional.

"Genocídios nunca são declarados antecipadamente, mas essa corte tem o benefício das últimas 13 semanas de evidências que mostram de forma incontestável um padrão de conduta e de intenções relacionadas que justifica uma alegação plausível de atos genocidas", declarou a advogada Adila Hassim.

"O primeiro ato genocida é o assassinato em massa de palestinos em Gaza", ela declarou. "Como o secretário-geral da ONU Antonio Guterres explicou, o nível de matança é tão extenso que ninguém está a salvo em Gaza. Até hoje, 23.210 palestinos foram mortos por forças israelenses. Acredita-se que pelo menos 70% sejam mulheres e crianças. Além disso, 7 mil palestinos estão desaparecidos, presumidamente mortos sob escombros."

Hassim usou uma série de imagens em sua apresentação, de modo a ilustrar as acusações que fazia. Fotos e vídeos mostravam corpos de palestinos ensacados, residências transformadas em escombros. "Palestinos são mortos em suas casas, em lugares onde procuram abrigos, em hospitais, em escolas, mesquitas, igrejas, e tentando conseguir comida e água para suas famílias. O nível de matança é tão intenso que são enterrados em valas comuns, muitas vezes sem identificação", disse a advogada.

"A tentativa de genocídio de Israel está enraizada na crença de que o inimigo não é apenas o braço militar do Hamas, nem o Hamas de maneira geral, mas o povo palestino em Gaza. No dia 7 de outubro, em um discurso televisionado, o premiê israelense Benjamin Netanyahu declarou guerra a Gaza", afirmou a seguir outro defensor da África do Sul, Tembeka Ngcukaitobi.

"A linguagem da desumanização sistemática é evidente", declarou o advogado. "Pessoas são tratadas como animais."

Sua colega Adila Hassim argumentou também que o genocídio se observa na forma como Israel forçou o deslocamento de palestinos, sob o argumento de dar-lhes a chance de salvar suas vidas em locais que seriam bombardeados e invadidos por tropas israelenses, supostamente para procurar e eliminar combatentes do Hamas.

"Muitos palestinos foram deslocados muitas vezes, pois famílias foram forçadas a se mudar repetidamente", disse ela, reiterando que essa prática foi imposta inclusive para pessoas doentes e com dificuldades de mobilidade. "Hospitais inteiros foram forçados a evacuar seus ocupantes, inclusive recém-nascidos sob cuidados intensivos", explicou: "Foi tudo calculado para provocar a destruição da população".

A advogada mencionou ainda que 355 mil lares foram destruídos, e que a destruição foi muitas vezes celebrada pelos militares, que "hastearam a bandeira israelense sobre os escombros".

Além das mortes, deslocamentos e destruição, ela mencionou outras causas que podem aumentar significativamente as estatísticas da mortandade daqui em diante. "Especialistas apontam que mais palestinos podem morrer de fome e doença do que por bombardeios, e ainda assim Israel dificulta a ajuda humanitária." Ela ilustrou sua fala com o vídeo de um caminhão de ajuda humanitária que mal conseguia se mexer tamanha a quantidade de pessoas trepadas sobre ele numa tentativa desesperada de obter os itens de necessidade básica que estão em falta em Gaza.

O lado israelense

Embora costume dizer que considera as Nações Unidas e tribunais internacionais injustos e tendenciosos, Israel enviou uma equipe jurídica robusta para defender sua operação militar lançada contra a Palestina. Israel nega as alegações de genocídio e é improvável que cumpra qualquer ordem do tribunal para interromper suas operações, mas provavelmente teme que uma ordem do gênero prejudique ainda mais sua reputação internacional.

Os advogados de Israel vão se manifestar nesta sexta-feira (11). Acredita-se que o caso se estenderá por anos.

Com informações da AFP.

Edição: Nicolau Soares


Double Mapa do site

1234