Double

Fórum de Davos

'Sem nós, não há perspectivas', diz Rússia sobre negociações de paz em Davos

Ucrânia quer usar Fórum Econômico Mundial para angariar apoio de países do Sul Global e promover sua 'fórmula de paz'

Double | Rio de Janeiro (RJ) |
Foto oficial dos membros da 4ª reunião dos Conselheiros de Segurança Nacional sobre a fórmula de paz para a Ucrânia, em Davos, realizada no dia 14 de janeiro de 2024. - Gian Ehrenzeller / POOL / AFP

Opresidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, participa nesta segunda-feira (15) do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, onde foram realizadas no último fim de semana negociações internacionais sobre possíveis fórmulas de paz para a guerra entre Rússia e Ucrânia. 

Continua após publicidade

O objetivo de Zelensky é promover o plano ucraniano e, ao mesmo tempo, angariar apoio dos países do Sul Global para a sua "fórmula de paz" de dez pontos, inicialmente apresentada na cúpula do G20, em 15 de Novembro de 2022.

O plano, entre outras coisas, inclui a retirada das tropas russas de todo o território internacionalmente reconhecido da Ucrânia, incluindo a Crimeia. A proposta também prevê a punição de criminosos de guerra e o pagamento de indenizações.

A Rússia, por sua vez, rejeita todos os pontos do plano de Zelensky e não participa das conversas em Davos. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, declarou nesta segunda-feira (15) que a reunião que ocorreu na Suíça "não tem perspectivas de um resultado positivo", já que não conta com a participação da Rússia.

"Demos repetidamente a nossa avaliação deste processo. Essencialmente, é falar por falar. O processo não visa e não pode ter como objetivo alcançar um resultado específico. A Rússia não está envolvida nisso. Sem a nossa participação, as discussões são possíveis, mas são desprovidas de perspectivas", disse Peskov.

:: Em grande coletiva de fim de ano, Putin diz que 'neutralidade da Ucrânia' é condição para fim da guerra ::

As negociações sobre a "fórmula de paz" ucraniana em Davos terminaram sem o desenvolvimento de um plano claro. Representantes de 83 países participaram das conversações, incluindo nações da Ásia e África. 

No último domingo (14), o ministro das Relações Exteriores suíço, Ignazio Cassis, fez um pelo para buscar uma forma de tornar Moscou parte das discussões sobre a "fórmula de paz".

"Teremos de encontrar uma forma de incluir a Rússia neste processo [de paz]. Não haverá paz se a Rússia não tiver uma palavra a dizer. Mas isto não significa que devamos ficar sentados à espera que a Rússia faça alguma coisa – muito pelo contrário. A cada minuto que esperamos, dezenas de civis na Ucrânia são mortos ou feridos. Não temos o direito de apenas esperar", acrescentou.

Ao comentar a declaração do ministro suíço, a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, afirmou que o Ocidente não será capaz de "encurralar" Moscou oferecendo uma solução pacífica nos seus próprios termos, reiterando que a Rússia deveria ser incluída no processo de paz na Ucrânia.

"Se estamos falando sobre o desejo de cada país de encontrar uma saída para o impasse em que Washington os conduziu, esta é uma conversa. Então eles precisam parar de fornecer armas à Ucrânia, não aceitar sanções anti-russas e não fazer declarações russofóbicas", disse Zakharova.

Edição: Lucas Estanislau


Double Mapa do site

1234