Double

PATRIMÔNIO

Em BH, encontro de bois encantados integra a programação do carnaval neste domingo (4)

Atividade terá brincadeiras lúdicas e artísticas, que buscam destacar o caráter espiritual e místico dos bois

Belo Horizonte (MG) | Double MG |
A história dos bois encantados se entrelaça com a da humanidade - Foto: Edgar Rocha /IPHAN

Promover uma atividade pedagógica e colaborativa é a ideia central do primeiro “Encontro dos bois encantados das Minas e das Gerais”. O evento integra a programação infantil do carnaval de Belo Horizonte em 2024 e acontece neste domingo (4), das 9h às 14h, entre a Rua da Bahia e a Rua Guajajaras, no Centro da capital. 

Continua após publicidade

A organização convida o público a levar materiais como linhas, agulhas, retalhos de tecidos, plásticos, forrações limpas e higienizadas para a confecção de dois bois e um estandarte com objetos recicláveis. 

Profissional de palhaçaria e do teatro de bonecos e de rua, Tiago Araújo, um dos organizadores do evento, conta que o encontro tem como objetivo promover o acesso à cultura popular e à educação patrimonial. 

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui :: 

A atividade será embalada com brincadeiras lúdicas e artísticas, que buscam destacar o caráter espiritual e místico da história dos bois encantados, além de abrir espaço para a música e o canto, que projetam a sua relevância cultural. Os diversos agrupamentos  de bois de Minas Gerais também serão homenageados de forma simbólica. 

O local escolhido, como forma de homenagem, é o território onde ficava o Largo do Rosário, espaço historicamente importante para a população negra e que foi reconhecido como patrimônio cultural imaterial da cidade em 2022. 

A história dos bois encantados

“O boi é um objeto, uma máscara gigante que cobre o corpo do manipulador. Acaba sendo o que restou de uma manifestação mais intensa em outra época, em outros lugares”, explica Tiago. “Tem a ver com um teatro e uma tradição popular”, completa. 

A história dos bois encantados se entrelaça com a da humanidade. Os diversos agrupamentos que existem no estado e no Brasil ajudam a contar histórias de diferentes povos. A tradição também aparece com outros nomes, como bumba meu boi, boi da manta, boi de reis, entre outros. 

Para Tiago, o encontro no carnaval tem a ver com o reconhecimento do boi como patrimônio imaterial. Em Minas Gerais, por exemplo, foram mapeadas 16 formas de manifestação do costume. 

Neste ano, por falta de captação financeira, a atividade ocorrerá apenas em formato pedagógico, mas, segundo o organizador, a ideia é que essa primeira reunião consiga demarcar a importância da agenda cultural na cidade.

Fonte:BdF Minas Gerais

Edição: Larissa Costa


Double Mapa do site

1234