Double

'desespero'

Investigado por tentativa de golpe, Bolsonaro convoca manifestação em São Paulo

Ex-presidente diz que chamou ato para 'se defender'; 'desespero', 'falastrão' e 'medo da cadeia', reagem personalidades

Double | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Militares próximos de Bolsonaro foram gravados planejando um golpe de Estado - Douglas Magno/AFP

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), investigado pela tentativa de um golpe de Estado, convocou uma manifestação na avenida Paulista, São Paulo, para 25 de fevereiro. O chamado foi feito na noite desta segunda-feira (12), por meio de um vídeo que circula nas redes sociais. "Deus, pátria, família e liberdade", declarou na convocação.

SegundoBolsonaro, o ato será "pacífico" e "em defesa do nosso Estado Democrático de Direito". Ele pediu ainda que os apoiadores compareçam de verde amarelo. "Quero me defender de todas as acusações que têm sido imputadas à minha pessoa nos últimos meses", disse.

:: Tempero da Notícia: operação da PF mostra que, desta vez, militares não serão anistiados ::

A manifestação foi convocada por Bolsonaro quatro dias depois de a Polícia Federal deflagrar uma operação que revelou um plano para mantê-lo no poder após a derrota nas eleições de 2022. A estratégia envolveria também a prisão do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco, e de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

O jurista Pedro Serrano, doutor em Direito do Estado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), enfatizou que o ex-presidente tem o direito de e manifestar, mas isso não tem o poder de alterar o rumo das investigações. "O fato é que existiu um conjunto de crimes graves", disse o jurista. Veja essa e outras reações: 

Investigações se aproximam de Bolsonaro

AOperação Tempus Veritatis foi a maior ofensiva da Justiça até aqui contra auxiliares e ex-ministros de Jair Bolsonaro, além de militares de alta patente que apoiavam o ex-presidente.

O inquérito policial que deu origem à operação é o que investiga as chamadas milícias digitais, uma ampla investigação aberta pela PF para apurar a atuação não só de grupos que difundiram desinformação e atacaram as instituições durante o governo Bolsonaro, mas também para identificar o uso da estrutura do Estado para abastecer essa rede e garantir ganhos políticos ao ex-presidente e seus aliados.

:: Operação sobre tentativa de golpe é apenas uma das três frentes que PF tem contra Bolsonaro ::

Conduzida por Alexandre de Moraes, a investigação não tem poupado esforços para avançar no núcleo bolsonarista e possui ao menos outras duas linhas de apuração avançadas e que podem gerar mais dor de cabeça para o ex-presidente. Sobretudo, devido a informações que foram encontradas com o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, que fechou um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal após ser preso.

Nos aparelhos eletrônicos de Cid e na nuvem de sua conta pessoal de e-mail os investigadores encontraram diálogos comprometedores em aplicativos de mensagens, fotos e o polêmico vídeo da reunião ministerial de 5 de julho de 2022 que, segundo os investigadores, expõem a "dinâmica" da trama golpista arquitetada de dentro do governo Bolsonaro.

Edição: Nicolau Soares


Double Mapa do site

1234